Search
Close this search box.

Radar das Reformas: Enxugar os gastos na administração pública é urgente

 

 

07 de abril de 2020

Mantendo o compromisso com o desenvolvimento do país, a Rede Apoie a Reforma está ativa na articulação de ações que visam diminuir o impacto causado pela nova pandemia em que vivemos.

A nossa primeira missão é pressionar o Congresso para acabar com os super salários nesse momento de calamidade pública. Para isso, contamos com o seu apoio.

Hoje, o setor público desperdiça R$ 2,1 bilhões por ano pagando penduricalhos, como auxílio paletó, verbas indenizatórias, horas extras superfaturadas para servidores que já ganham acima do teto constitucional, no valor de R$ 39.293 mensais.

Amanhã, quarta-feira, está prevista a votação do PL dos Penduricalhos na Câmara dos Deputados, medida que vai proibir qualquer servidor de ganhar acima do teto constitucional.

Em um período de emergência nacional, precisamos da cooperação de todos para acabar com esse absurdo que privilegia o alto funcionalismo do setor público. Vamos juntos?

Receba os conteúdos sobre a PL dos Penduricalhos

As medidas do setor público 

Correndo contra o tempo para tentar amenizar os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus, o Governo Federal e o Congresso Nacional vem propondo novas medidas a fim de garantir a manutenção do emprego e da renda.

Já aprovado pelo Senado Federal, o auxílio emergencial de R$ 600,00 é uma das principais propostas enviadas pelo Congresso ao Governo para beneficiar os trabalhadores informais de baixa renda, durante a crise gerada pela pandemia de coronavírus. O auxílio estará disponível a partir desta terça-feira, 07, para quem já está nos cadastros do governo, e no dia 14 para os demais.

Parte das iniciativas para evitar a demissão em massa, o Governo Federal anunciou na quarta-feira, 01, uma medida provisória (MP) que autoriza as empresas a reduzirem, proporcionalmente, a jornada de trabalho e os salários dos empregados. Chamada de Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, ele prevê a preservação do valor do salário-hora dos trabalhadores e estabelece que as reduções de jornada poderão ser de 25%, 50% ou de 70%.

A medida tem prazo máximo de 3 meses, inclui as empregadas domésticas com carteira assinada e em caso de demissão futura do trabalhador, ele não terá nenhum desconto no valor do seguro desemprego. Além disso, ela também prevê a suspensão temporária do contrato de trabalho, pelo prazo máximo de sessenta dias. Leia mais.

A fim de ampliar o projeto, o Senado aprovou por unanimidade um novo texto que, além de deixar pontos do anterior mais claros, estende o benefício para mais profissões e outras pessoas que não estavam na medida original. A proposta terá a atenção do Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que pretende discutir alguns pontos com a equipe econômica. Leia mais.

Na última semana, a Câmara dos Deputados também aprovou na sexta-feira, 03, a PEC 10/2020, que trata do “Orçamento de Guerra” e separa os gastos com a pandemia, na tentativa de conter os impactos sobre o aumento das despesas. Leia mais.

No processo da PEC, entre emendas e destaques apresentados, o partido Novo defendeu que os recursos do Fundo Eleitoral fossem destinados para a saúde, e que fossem realizados cortes nos salários dos parlamentares e servidores públicos do alto escalão, com exceção da segurança pública e da saúde. O deputado Hugo Motta (REP/PB), relator da PEC, rejeitou as modificações e o orçamento foi aprovado sem as alterações do partido.

No entanto, cabe ressaltar que esse tema de corte de salários não foi exaurido, pois existem outros projetos que tratam objetivamente desse assunto. A PL 6726/16 dos Penduricalhos, proposta pelo Dep. Estadual Rubens Bueno (Cidadania-PR), regulamenta para toda a federação a lista de despesas indenizatórias, de modo que as demais estejam sob o teto do funcionalismo. Ela também define limites de remuneração no caso de acúmulo de cargos públicos, impedindo que muitos servidores ganhem acima do teto, como acontece hoje. A medida vale para além do período de calamidade pública, assim o seu ganho fiscal é de R$ 20 bilhões pelos próximos 10 anos. 

Outra iniciativa com foco na contenção de gastos e que tramita na Câmara, é a PEC do Dep. Ricardo Izar (PP/SP), que visa a redução enquanto durar o período de calamidade pública da jornada de trabalho dos servidores públicos em 20%, com redução proporcional daqueles que recebem acima de R$ 5.000 (garantindo o piso nesse valor a todos que tiverem redução). 

Tempos de emergência não podem dar lugar a oportunismo | Daniel Duque, economista e Head de Inteligência Técnica no CLP – Liderança Pública, escreve sobre a manutenção do teto de gasto e defende que não se deve esquecer o compromisso com a responsabilidade fiscal no longo prazo. Leia.

Rede Apoie a Reforma e a contenção da crise da nova Covid-19

Junto com o CLP – Liderança Pública, a Rede Apoie a Reforma elaborou uma agenda com medidas emergenciais que devem ser apreciadas pelo Congresso e votadas com urgência.

A agenda é baseada em três princípios:

  • parcela de contribuição do setor público
  • garantia de renda para a população
  • a proteção de empregos e dos pequenos e médios negócios 

Leia mais.

Quer receber em primeira mão o material da PL dos Penduricalhos?

Receba os conteúdos sobre a PL dos Penduricalhos

 Lista de Transmissão

Quer receber nossos conteúdos por whatsapp?

É só salvar nos seus contatos e mandar uma mensagem para o número: (11) 9-7766-0305.

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Notícias Relacionadas