Search
Close this search box.

Empoderando usuários da saúde – Conheça a Saluz

Magdoa Lisboa Harvard Felipe (à esq.) criador do Saluz e Luiz Felipe do CLP / Foto: CLP

Nascido no Rio de Janeiro, mas criado em São Paulo desde os três anos de idade, Felipe Machado encontrou sua vocação na medicina. “Sempre tive uma curiosidade muito grande de entender o homem, entender o corpo, a mente das pessoas", explicou o psiquiatra e ex-aluno do Master em Liderança e Gestão Pública. Felipe, que concluiu o ensino fundamental em uma escola Waldorf, disse que foi esse tipo de pedagogia que incentivou sua criatividade. "Na escola eu aprendi a tocar flauta, clarinete, passei pelo violino, tocamos com orquestra, me estimulou muito a pensar fora da caixa e tentar me virar com as coisas", contou.

"Essa ideia de resolver problemas e se virar com o que tem pra construir as coisas sempre me fascinou", comentou Felipe. Essa mistura de inquietação e curiosidade fizeram o médico, na época ainda estudante, se envolver em atividades de extensão durante a universidade. E foi justamente em um projeto de extensão feito na Amazônia que Felipe enxergou a possibilidade de fazer algo para além dos muros da academia. “Desenvolvemos um sistema de telesaúde para atendimento da população ribeirinha de Porto Velho, Rondônia, o projeto deu certo e fomos reconhecidos pelo Ministério da Saúde como um projeto inovador para o SUS 2007”. A partir desta experiência, Felipe conta que pode perceber a possibilidade de construir projetos inovadores na área de saúde junto às políticas públicas.

Entretanto, Felipe optou por seguir um caminho mais tradicional dentro da medicina, fez internato no hospital do servidor publico estadual e depois residência em psiquiatria na mesma instituição. Acabou se especializando em psiquiatria infantil na Universidade Federal de São Paulo onde iniciou o mestrado. “No universo da psiquiatria você lida muito com questões políticas. Existe muita ideologia por trás da ciência crua. Foi dentro da UNIFESP que comecei a ver os vários lados disso”, contou Felipe.

Por causa do desejo de adquirir habilidades que o capacitassem para ser um bom gestor, Felipe acabou encontrando o MLG. “Pensei em fazer um curso de administração hospitalar, mas não me via naquilo, não queria ser um diretor de hospital, eu quero ser diretor de um grupo de hospitais, trabalhar numa macro ou micro região de uma prefeitura”, contou Felipe que complementou “ai percebi que meu interesse era muito maior, era em relação a um território e menos em relação às questões técnico-administrativas de um hospital”.

“O MLG me deu o primeiro contato com liderança, gestão, eu estava afunilado nas questões da psiquiatria e psiquiatria infantil”, explicou Felipe. Além disso, outra característica importante para ele foi a diversidade dos alunos e a interação. “Conheci muita gente, bastante networking, uma sintonia muito grande e isso fez nascer a plataforma, a Saluz, disse Felipe que explica que “a plataforma veio com essa perspectiva de tentar fazer alguma coisa na área da saúde que fosse transformadora e que envolvesse tecnologia, sempre me interessei por essa área.”

Machado complementa dizendo que “a ideia era ter uma plataforma que desse pra cutucar a comunidade, depois que voltei do módulo em Harvard vi a importância de se reconhecer o problema e com base nisso pensar nas soluções.”

A plataforma Saluz, é uma ferramenta para serviços de saúde, focada nos anseios dos pacientes. Ela permite avaliar em tempo real a experiência do usuário nos serviços de saúde e identificar pontos críticos, o que auxilia os gestores a quantificar e monitorar a satisfação de seus pacientes em relação a outros hospitais, clínicas e laboratórios. Com esta ferramenta é possível que o gestor possa fortalecer sua tomada de decisões na alocação de recursos humanos e financeiros, remuneração de funcionários, programas de melhoria, entre muitas outras possibilidades.

Além disso, a Saluz por meio de uma interface de aplicativo para smartphone de livre acesso ao público, promove um maior acesso e visibilidade às informações dos estabelecimentos de saúde disponíveis. O app ajuda a divulgar os serviços mais bem avaliados por seus usuários, com o objetivo de estar diretamente conectado com os pacientes ou familiares no momento da experiência do usuário com os serviços de saúde.

Assim, a Saluz busca por meio de uma solução inovadora ser uma ferramenta importante de suporte à gestão das empresas e ao sistema de saúde, além de auxiliar a populacão na busca de informações de serviços de uma forma fácil e ágil.

Felipe explica que durante os módulos do MLG pôde sustentar teoricamente o projeto com base na Lei de Acesso à Informação, principalmente durante a disciplina de Avaliação e Institucionalização de Políticas Públicas. A intenção do aplicativo, para além de ser uma ferramenta para auxiliar na busca de serviços de saúde e ajudar o gestor no seu dia dia, pretende contribuir para uma nova forma de gestão participativa na saúde, que coloca o paciente no centro do processo.

O app está em fase pré-operacional, na etapa de cadastramento da base de dados. “Contatei uma equipe de desenvolvedores com a verba do edital que vencemos da prefeitura de São Paulo de incentivo à Startups, vamos focar agora no cadastramento dos serviços de saúde do município de SP”, explica Felipe Machado.

O desenvolvimento do aplicativo foi feito com validação da turma do MLG em duas apresentações em momentos diferentes do curso. “A partir de contatos da turma do MLG, também pude apresentar o protótipo da Saluz, ao diretor de produtos da América Latina da General Eletric, ao presidente da UNIMED de Juiz de Fora e ao Vereador Gilberto Natalini (PV-SP), que colaborou muito com a iniciativa e tem articulado reuniões com a equipe técnica da Secretaria da Saúde do estado e município de São Paulo”, conta Felipe. Ele ressalta também que a ideia é implementar um piloto do projeto em uma região da cidade de São Paulo.

 

Conheça a Liderança Adaptativa, o conceito que guia as ações do CLP.

 

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Notícias Relacionadas